Evite falar "bobagens" aos seus filhos na hora da raiva.

Na criação dos filhos é preciso estar atento ao que falamos a eles. As crianças absorvem tudo, sendo necessário ter cautela na forma como conversamos com elas.

Os pais deveriam ficar mais atentos em relação a aquilo que sai de suas bocas, especialmente no trato diário com as crianças...

Não são as grandes coisas que fazem a diferença, mas os pequenos detalhes que muitas vezes quase não percebemos...

Muitas vezes, quando os pais vão dar uma bronca nos filhos, não prestam atenção nas palavras. Assim, acabam usando expressões contundentes, vícios de linguagem patológicos, e como consequência, na maioria das vezes, poderão criar traumas em suas crianças, muitos deles irreversíveis.
Se você tem filhos pequenos ou grandes, é bom se atentar a cada uma delas!



Eis as Frases que devemos a todo custo evitar, quando no convívio diário com nossas crianças. Claro que nos referimos aos dois gêneros, embora algumas vezes no texto façamos referência a apenas um deles...

"Você é um mau menino..."

"Sacrifico minha vida pessoal para cuidar do meu filho, espero que ele reconheça isto mais tarde..."

"Eu preferiria que você não tivesse nascido..."

"Você nunca vai ser nada na vida..."

"Seu pai – sua mãe – e eu estamos nos separando por sua causa..."

"Quando eu era da sua idade, voltava da escola a pé e ainda ajudava minha mãe a cuidar da casa..."

"Por que você não é como seu irmão?"

"Você está agindo como um bebê. Devia sentir vergonha disso..."



"Se fizer isso de novo, vou chamar a polícia e mandar lhe prender..."

"Faço tudo por você e não recebo nada em troca..."

"Eu não acredito que esteja com medo desse cachorrinho tão manso..."

"Bem que Eu não queria ter filhos, por isso deu no que deu..."

"Por último, para cada "NÃO" um "SIM" que explica o "Não" deve ser dito em seguida."

Desnecessário é dizer que esta lista é parcial. Existem muitos outros pontos, variantes a partir da mesologia e do condicionamento pessoal onde a regra deverá ser examinada.

Texto produzido a partir de pesquisas sociológicas por Ester de Cartago.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.