Garota sobreviveu à queda de 3 mil metros de altura de um avião e reapareceu 10 dias depois



Conheça a história de Juliane Koepcke, a garota que sobreviveu à queda de 3 mil metros de altura e reapareceu após 10 dias.


A GAROTA QUE SOBREVIVEU À QUEDA DE 3 MIL METROS

Juliane Koepcke nunca foi uma garotinha normal. Filha de pais alemães que viviam e trabalhavam no Peru. Sua mãe era ornitóloga e seu pai era zoologista, por isso era natural que Juliane passasse muito tempo com eles enquanto estudavam a Amazônia.




Seus pais construíram um posto avançado de sobrevivência no meio da selva, onde a família passou a maior parte de seus dias e noites. Como eles estavam desligados do mundo, Juliane teve que aprender a sobreviver por conta própria na região selvagem. Sem ela saber, essas habilidades seriam algo de grande valor mais tarde em sua vida.
Juliane e seus pais fizeram muitas viagens do Peru de volta para a Alemanha para que pudessem ver familiares e amigos. Na noite da graduação do ensino médio – que por caso era véspera de Natal – Juliane e sua mãe embarcaram em um voo para a Alemanha. 

Foi quando tudo mudou.




Sem muita demora, o voo estava indo ao encontro de uma tempestade mortal.
“Depois de cerca de 10 minutos, vi uma luz muito brilhante no motor externo à esquerda. Minha mãe disse com muita calma: “Esse é o fim, tudo acabou.” Essas foram as últimas palavras que eu ouvi ela falar”, disse Juliane.



Antes que ela soubesse o que estava acontecendo, Juliane sentiu seu corpo cair do céu. Ela disse: “De repente, o barulho parou e eu estava fora do avião. Eu estava em queda livre, amarrada ao banco e pendurada. O único ruído que eu podia ouvir era o vento.

Embora ela se lembrasse de sentir a cobertura da selva amazônica, Juliane não se lembrava do acidente em si. Durante 10 dias difíceis, ela era apenas uma adolescente, totalmente excluída do mundo exterior forçada a sobreviver sozinha na selva.

Sem seus óculos, que foram perdidos durante o acidente, ela foi forçada a usar um dos sapatos para no terreno à frente dela e tentar encontrar ajuda. Ela conseguiu encontrar um saco de doces do avião. Era toda a comida que ela tinha por 10 dias.



Em seu quarto dia na selva, lutando com uma clavícula quebrada, Juliane viu pássaros de carniça ao longe. Ela os rastreou e descobriu várias vítimas do acidente do avião. “Fiquei paralisada pelo pânico. Foi a primeira vez que vi uma pessoa morta “, disse ela.





Juliane estava morrendo rapidamente. Ela passou seus dias tirando vermes de suas feridas e rezando por ajuda. No décimo dia, um grupo de trabalhadores que chegavam à selva para serraria a encontrou e ela conseguiu a ajuda que precisava.



Infelizmente, a mãe de Juliane não sobreviveu ao acidente de avião. Embora ninguém saiba como a jovem sobreviveu à queda de 10 mil pés do céu, Juliane agora está vivendo uma vida feliz como bióloga, uma carreira que escolheu para honrar seus pais.





Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.